Cara a cara com a Lei

O mundo político esta semana voltará suas atenções para o julgamento, em segunda instância, do condenado Luiz Inácio Lula da Silva. O TRF de Porto Alegre pode confirmar, recusar ou até aumentar a pena imposta pelo juiz Sérgio Moro ao ex-presidente da República.

A militância vermelha está alvoroçada. Líderes petistas falam em matar e em derramamento de sangue caso Lula tenha a condenação confirmada. E Lula, que nunca teve nenhum respeito às leis e sempre se achou acima delas, garante que vai ser candidato.

Nunca antes na história desse país vivemos uma situação tão vexaminosa. O ex-presidente, réu em vários processos, já condenado e com o risco de ser preso após algumas apelações a mais, é líder em todas as pesquisas. É a prova de que, para o brasileiro, a corrupção é, dos males, o menor. Lula pode chegar a ter o nome nas urnas, vencer e, depois, ser preso. Parece piada.

É óbvio que se espera dos petistas (inclusive dos jornalistas e comentaristas que não têm pudor em defender bandidos) o discurso do "golpe", da "perseguição", do "eles contra nós". Aliciando grupelhos como MST e MTST, a militância vai mesmo para a guerra. Lula novamente condenado, esperemos estradas interditadas, "intelectuais" choramingando contra a Rede Globo e a imprensa em geral e advogados entrando com recursos e mais recursos nas instâncias superiores. Sem esquecer que o "Robin Hood de Garanhuns" (pobre Garanhuns!) pode ser condenado nesses dias pelo caso do sítio em Atibaia. Ou seja, não faltam crimes e mais crimes nas costas de Lula.

Ah, e se ele for inocentado? Se ocorrer o improvável diante de tantas provas de ocultação de patrimônio (fruto de propina), que se respeite a Lei. O desejo de justiça não pode transformar cidadãos em militantes apaixonados. A Lei existe e é para todos. Deve-se respeitá-la. E ela vale Inclusive para um ex-presidente já condenado por corrupção. Um corrupto como tantos outros já condenados pela Lava Jato.

Até a próxima